A tal vitamina D

13 Set 2010

Nos últimos anos há uma enxurrada de trabalhos científicos envolvendo a vitamina D X problemas de saúde.

De acordo com o estudo publicado recentemente na revista Genome Research, estima-se que 1 bilhão de pessoas no mundo tenham carência de vitamina D, devido a fatores como insuficiência de exposição ao sol ou uma dieta pobre nesse nutriente. Explico: há 2 formas de vitamina D - a vitamina D3 - formada pela pele após exposição solar e através de alimentos de origem animal, e a vitamina D2, que tem sua origem praticamente em alimentos de origem vegetal (e os alimentos fortificados que você encontra na prateleira de supermercados).

Além de ser conhecida como fator de risco para o desenvolvimento de raquitismo infantil, há evidências de que a falta de vitamina D também estaria relacionada ao aumento da suscetibilidade a condições como esclerose múltipla, artrite reumatoide, Alzheimer, Parkinson e diabetes, bem como demência, muitos tipos de câncer, episódios de dor crônica, asma, deficiências imunológicas e aumento da pressão sanguínea. Atua na melhora da fadiga crônica, hiperatividade, anorexia, crises de TPM, TOC e problemas na gestação (como abortos).

Uma das principais funções dessa vitamina é atuar no metabolismo ósseo, já que repara ossos e tendões, ajuda a melhorar espondilites, osteomalácia e etc. Além, disso, tem influência sobre a força muscular, sistema imune e secreção de insulina. Pouca exposição ao sol, obesidade, síndromes de má absorção e envelhecimento (idosos possuem mais deficiência que adultos) podem ser causas da deficiência de vitamina D no organismo. Em adultos, pode resultar em osteopenia / osteoporose.

A vitamina D em doses adequadas ao seu organismo previne câncer em até 80%, melhora acne, tratamento de vitiligo, varizes e trabalha contra a agressão de fungos nas unhas. E atua em todas as doenças auto imunes, como esclerose múltipla e tireoidite de Hashimoto. Impede a degeneração macular, o glaucoma, melhora incontinência urinária, infecções urinárias no geral, adjuvante no tratamento do hipogonadismo secundário, aumenta fertilidade masculina e feminina, e etc.

Algumas drogas são capazes de causar depleção de vitamina D, como anticonvulsivantes, corticosteróides, antagonistas de receptor H2, entre outros.

Seu nutricionista poderá avaliar seu status atual de vitamina D em seu corpo através de exame laboratorial e, em caso de deficiência, uma suplementação poderá ser prescrita.

Converse com o profissional que te acompanha e busque sempre qualidade de vida através de uma alimentação mais saudável.

Fonte da imagem: http://www.healingtherapies.info/VitDmetabolism.jpg

Comentários

Ainda não há comentários.

O envio de comentários está fechado.