Diário de uma triatleta ovolactovegetariana

06 Mai 2014

Muitas pessoas tem dúvidas sobre como é uma dieta e dia a dia de um triatleta, imagine então sendo ovolactovegetariano! Por isso, convidei minha cliente e editora de vídeos de meu canal Youtube Nutribruxa, Patrícia Palomino, para descrever um pouco isso pra vocês! Espero que curtam o post!

Meu nome é Patrícia Palomino, tenho 33 anos, sou Paulistana, trabalho na empresa da minha família, sou fotógrafa e também ovolactovegetariana. O vegetarianismo entrou na minha vida há 10 anos quando decidi alcançar um grau mais alto no Método de Yôga que eu praticava na época. Como foi uma decisão minha não tive problemas em retirar a carne da minha vida, foi bem simples, mantinha uma alimentação bem variada, por isso nunca tive deficiência alguma de nutrientes, mas há uns 8 anos voltei a nadar, e comecei a fazer treinos fortes, e decidi que faria provas de maratonas aquáticas. Foi então que fui a procura de uma nutricionista, pois meus pais achavam que eu ficaria com problemas de saúde por conta da falta da proteína animal. Me consultei com uma nutricionista, mas ela disse que não poderia me ajudar pois ela não tinha conhecimento suficiente para me ajudar como atleta e vegetariana.

  Foi aqui que começou minha busca por uma Nutri que pudesse me ajudar sem dizer que eu era obrigada a comer carne, e não foi fácil não! O termo “vegetariano” assusta, eu nem uso, digo só que não como carne, as pessoas são bem preconceituosas com esse tema, até mesmo as pessoas da área médica, amigos, familiares. Mas não ligo não, é uma decisão minha, sou decidida, mas já escutei e ainda escuto.

  Depois de muita pesquisa encontrei a Nutricionista Esportiva Priscila Di Ciero, através de uma revista especializada, acredito que já faz uns 5 ou 6 anos. Já no telefone notei que era o que eu queria. Marquei a consulta, conversamos por horas, e então descobri alguém que sim entendia de vegetarianos, me passou uma dieta que consegui perder peso e ganhar a musculatura necessária. Fiquei muito mais forte nos treinos, fui para as provas sem pretensão alguma de ganhar, só para competir mesmo, mas acabei até ganhando algumas coisas e meu maior feito foi o 3º lugar na categoria na prova de maratona aquática de 8,5 km, na cidade de Ubatuba.

  Para chegar nisso, além de muito treino, tive que organizar minha alimentação, sempre com o acompanhamento da Pri e do meu técnico Regis Secco.
Ano passado sofri um acidente tive uma fratura séria na vértebra L1, e com fisioterapia a ajuda da Nutri (ela colocou suplementos para ajudar na minha recuperação) eu recuperei rapidamente e decidi começar a treinar para um sonho antigo, que era o triathlon, afinal, sempre fiz os 3 esporte mais separadamente. Comprei uma bike speed eu ainda usava o colete de contensão da coluna, minha mãe quis me matar. Após 1 ano, voltei na Pri e no endócrino pra ajustar meu metabolismo e voltei aos treinos.

  Como eu almoço no trabalho e aqui tem cozinha, decidi que faria minha própria comida seguindo a dieta que ela passou, e não adianta ter preguiça, se você faz sua própria comida fica muito mais fácil de manter a dieta. Dá pra variar bem! Faço minhas porções e congelo, tudo saudável e saboroso. Não é porque não tem carne que tem que ser sem graça, né? Faço lasanha de berinjela recheada com shimeji, salada de feijão preto com quinua e manga, escondidinho de Shitake, e tudo com temperos anti-barriga que a nutri me ensinou a fazer.

  Minha receita preferida é a crepioca, sou viciada! De suplementação hoje estou com o Whey Protein, que só consigo usar o de uma marca, os outros eu passo muito mal, e a nutri indica algumas receitas, que facilitam o uso do whey, como as panquecas de whey com banana, eu amo faço sempre. Uso Creatina, BCAA, um pool de aminoácidos com L-citrulina e L-taurina, e umas fórmulas que ela faz específicas para minha dieta, até o meu gel que uso nas provas foi ela que desenvolveu, e faço em farmácia de manipulação.

  O retorno aos treinos não foram fáceis, o psicológico ajudou muito, pois fiquei 1 ano parada e esperava voltar com a performance de antes. Trabalho também como fotógrafa e muitas coisas outras coisas que gosto de fazer, mas com boa vontade e um bom técnico você consegue fazer tudo que quer. Treino a noite, eu prefiro, pois entro cedo no trabalho, e sinto que rendo mais a noite mesmo. Em março fiz minha primeira prova de Short triathlon, nem acreditei, mas estava lá, terminei a prova foi uma felicidade que não cabia em mim, e então um mês depois fiz outra e diminui o tempo em quase 4 minutos. Foi muito bom ver a melhora, e com isso notamos que alimentação e treino, e disciplina você consegue tudo o que sonha, mas não adianta sair fazendo sem a ajuda de um profissional.

  Contato da Paty: [email protected] e Instagram: @patriciapalomino

Comentários

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.





Memorizar dados