Não fuja do azeite de oliva, mesmo em dieta!

06 Out 2010

Querendo emagrecer, definir, hipertrofiar, ganhar saúde e disposição, alguns alimentos são sempre imprescindíveis na minha opinião.

Um deles é, sem duvida, o azeite de oliva extravirgem! Fugindo daqueles molhos industrializados de saladas - que podem conter corantes, conservantes e glutamato monossódico demais, o azeite com limão é uma combinação simples, saborosa e muito saudável.

Você já sabe que as gorduras são essenciais para a vida: carreiam vitaminas A, D, E e K, que são fundamentais para manter saúde em dia e prevenir doenças. O ideal é consumi-las em quantidade moderada, de acordo com o prescrito pelo Nutricionista que o acompanha.

O balanceamento de gorduras na dieta é muito importante também, e o tipo encontrado no azeite é a monoinsaturada, que traz como principais benefícios:

Prevenir doenças cardiovasculares, já que atua no controle da pressão arterial, e nos mecanismos de formação de coágulos;

Contribui para reduzir o nível de colesterol total no sangue;

Evita a agregação de plaquetas, facilitar a dilatação dos vasos, contribuindo para prevenir tromboses, dentre outros benefícios;

Estimula a secreção da bile e o funcionamento do pâncreas, melhorando a digestão de outras gorduras, inclusive;

Pode ajudar a aliviar casos de constipação, se ajustado junto com outras modificações dietéticas;

Previne úlceras (ao aumentar a secreção mucosa do estômago) e os cálculos biliares (por impedir a acumulação de cristais).

Segundo estudos, os antioxidantes do azeite, principalmente a vitamina E, previnem o envelhecimento celular e combatem radicais livres, inclusive para aqueles que treinam pesado pode ser um excelente protetor contra a maior produção de radicais livres decorrentes do exercício físico.

Alguns estudos, ainda, relacionam o consumo do azeite com uma menor incidência de vários tipos de câncer.

É recomendado para diabéticos e indivíduos com pré-diabetes por ajudar na diminuição da resistência a insulina;

Como o azeite favorece a mineralização, estimula o crescimento e a absorção do cálcio, o que faz bem para os ossos, previne osteopenia e osteoporose;

É indicado para a alimentação infantil por conter ácido oléico, que favorece o crescimento das crianças.

Para os que treinam e desejam secar Ou hipertrofiar sem ganhar as indesejáveis gordurinhas localizadas, válido pra todo mundo (aliás), convém não abusar das gorduras, nem do azeite. Um Nutricionista Esportiva definirá a quantidade certinha pra você, mas lembre-se que  a gordura visceral (“barriguinha”) produz substâncias que dificultam a ação da insulina -  o hormônio produzido pelo pâncreas que ajuda a glicose a entrar nas células – e o azeite ajuda a reverter isso.

Conheça melhor as diferenças entre eles:

  • Extravirgem – Com melhor aroma e sabor, apresenta menos de 0,8% de acidez (calculada sobre a porcentagem de ácido oléico). Produto de alta qualidade gastronômica, deve ser a primeira opção em sua dieta. Costuma ser mais caro que os demais, mas vale pelo custo-benefício.
  • Virgem – A principal diferença para o extravirgem está na acidez, que pode chegar até a 2%. Seu principal uso é o culinário.
  • Óleo composto: consiste na mistura de um azeite com outro óleo. Apesar de ser mais barato, o azeite tem mais sabor e benefícios para a saúde.

LEMBRE-SE que o processo de extração do azeite influencia na concentração de antioxidantes, substâncias que protegem o organismo contra agentes externos e no desenvolvimento de doenças, principalmente as cardiovasculares e o câncer. O extravirgem contém uma elevada concentração de antioxidantes como a vitamina E e os derivados fenólicos (tirosol e hidroxitirosol), esteróis livres e seus precursores, como o esqualeno. Já o azeite refinado perde uma boa parte delas.

Atenção: A embalagem em lata é muito mais difícil para abrir, fechar e conservar. Sempre deixe a embalagem de azeite ao abrigo da luz para evitar rancificação.

Comentários

Ainda não há comentários.

O envio de comentários está fechado.