Xarope de milho é carboidrato ruim

13 Jan 2011

Diversos estudos concluíram que os açúcares não são todos iguais, e que o xarope de milho consegue ser pior que a sacarose, o açúcar de mesa em si, mas isso a longo prazo.

Esse xarope vem sendo utilizando pela indústria para substituir o açúcar em refrigerantes, geléias, refeições congeladas, bolachas, ketchup, molhos servidos em fast food. Esse produto é rico em frutose, tem custo mais baixo e é uma das escolhas prediletas da indústria de alimentos.

Esse consumo abusivo e constante, inclusive por crianças, leva ao aumento da gordura abdominal e resistência a insulina, que aumenta risco em desenvolver obesidade, hipertensão, diabetes tipo 2, além de aumentar significativamente os triglicérides e o LDL, considerado o “mal colesterol”. Inclusive, um trabalho mostrou que pode aumentar ainda mais ácido úrico em que sofre já de gota.

A frutose que vem com o consumo de frutas, ressaltando que até mesmo as frutas devem ser consumidas com moderação, especialmente por obesos, diabéticos e pré-diabéticos, vem acompanhada por uma sinergia de nutrientes e fibras que ajudam demais na metabolização desse tipo de açúcar, além de fazer parte de uma dieta saudável. Porém, o xarope de milho,a frutose, não contém enzimas, vitaminas e minerais, assim, ele vai retirar as do seu próprio organismo para poder assimilá-lo. Isso é, o consumo do xarope ainda ainda vai desvitalizar o organismo.

Consumir pequenas porções de frutas não contribui para uma sobrecarga grande de frutose. Nada como um Nutricionista para orientar isso em sua dieta e individualizar o tratamento de acordo com cada organismo.

Os trabalhos ainda mais conclusivos foram feitos em experimentos animais, porém, é bom já ficar alerta, parar de tomar refrigerantes (você ainda toma?), ler bem os rótulos dos alimentos e não comprar os produtos que contenham xarope de milho (ou também estará escrito glicose de milho) em sua composição.

Para saber mais: http://www.eurekalert.org/pub_releases/2010-06/tes-fsm062010.php

Comentários

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.





Memorizar dados